Polícia Civil em SC alerta para casos de golpe de clonagem de aplicativo de mensagem

1794
Banner-Web-Portal-O-Corupaense-640x167

Pelo menos 150 casos do golpe de clonagem de aplicativos de WhatsApp já foram registrados neste ano em Santa Catarina, segundo dados da Polícia Civil. A instituição recomenda alguns cuidados por parte dos usuários e que, quem já foi vítima, que procure uma delegacia para registrar boletim de ocorrência.

Uma das vítimas foi o produtor de eventos Marcelo de Paula. “[Ligaram] Pedindo meus dados para colocar na credencial de uma festa que teria no começo de fevereiro”, disse. Mas, após a ligação, ele percebeu que a conta de WhatsApp tinha sido clonada.

“E logo depois passaram um número, que é o número que eu retornei para eles, devolvendo esse número para eles, e depois eu vi meu celular, o Whatsapp, hackeado”, declarou.

O número que foi por SMS no celular do Marcelo foi um código de verificação, que é enviado pelo aplicativo por segurança, para impedir que alguém que não esteja com o seu celular acesse sua conta por outro aparelho. Mas como as vítimas passam esse número para os golpistas, eles conseguem ter acesso a todos os dados.

Como o aplicativo só funciona em um aparelho, o do verdadeiro dono da conta fica inativo e os golpistas começam a chamar todos os contatos da vítima com diversas desculpas para pedir dinheiro emprestado, inclusive passando números de contas para depósito financeiro.

 Polícia Civil dá dicas sobre o que deve ser feito. “O que se recomenda é que quando você recebe uma mensagem com teor que não é o tradicionalmente conversado com aquela pessoa, que você desconfie. Faça uma ligação por telefone, não pelo aplicativo para essa pessoa e confirme se ela realmente, se foi ela realmente quem fez o pedido”, disse Alfeu Orben, diretor de Inteligência da instituição.

O advogado José Vitor Lopes e Silva, especialista em direito digital, diz que as vítimas passam os dados do Whatsapp porque geralmente o criminoso tem várias informações sobre ela, conseguidas pelas redes sociais por exemplo, e que acabam parecendo que a ligação é realmente para algo sério.

“Mas, de maneira geral, cuidado com a publicação de seus hábitos na rede. E obviamente, se alguém entrar em contato com você pedindo alguma informação pessoal, de configuração de celular, ou o famoso código do WhatsApp, a gente precisa entender por que essa pessoa está pedindo isso”, falou Silva.

Banner-Web-Portal-O-Corupaense-640x167