Com a confirmação do primeiro caso de coronavírus no Brasil na última quarta-feira (27), as orientações sobre os cuidados em relação à doença são ainda mais necessárias. A Secretaria de Estado de Saúde confirmou que dois casos suspeitos são investigados em Santa Catarina. A Secretaria Municipal de Saúde de Corupá acompanha a evolução destes casos e orienta os moradores da cidade a ficarem atentos aos sinais da doença.

Ainda na quarta-feira, a prefeitura de São Bento do Sul informou que a Secretaria de Saúde do município acompanha a possibilidade de casos suspeitos na cidade. Um funcionário de um hotel e familiares de um morador que esteve na Itália estão em isolamento. Os casos estão sendo monitorados junto a Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive-SC), mas ainda não há a confirmação da doença. A prefeitura de São Bento do Sul, em nota, afirmou que não há motivo para pânico.

“Estamos acompanhando a situação no Estado, mas reforçando a orientação: não há motivo para pânico. Os casos estão sendo monitorados de perto. O que a população pode fazer é seguir as indicações de cuidados do Ministério da Saúde e ficar atenta aos sintomas, principalmente quem viajou recentemente para um país onde há casos da doença ou quem teve contato com alguém que mora num destes locais. E aí procurar imediatamente uma unidade de saúde. As coletas dos materiais são enviadas para Florianópolis”, explicou a secretária de Saúde de Corupá, Bernadete Hillbrecht.

Os sintomas do coronavírus são os mesmos de uma gripe: febre, tosse e falta de ar. Dores musculares e de cabeça, bem como confusão mental, irritação na garganta e desconforto no peito também foram observados nos pacientes.

Confira as orientações do Ministério da Saúde:

O que é coronavírus (COVID-19)?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (SARS-CoV-2) foi descoberto no dia 31 de dezembro de 2019, após casos registrados na China.

Até esta quinta-feira (27), ao menos 20 países confirmaram casos da doença e pelo menos 2,8 mil pessoas já morreram em decorrência de complicações do vírus – a maioria delas na China.

Como o coronavírus é transmitido?

As investigações sobre as formas de transmissão do coronavírus ainda estão em andamento, mas a disseminação de pessoa para pessoa, ou seja, a contaminação por gotículas respiratórias ou contato, está ocorrendo. Qualquer pessoa que tenha contato próximo (cerca de 1 metro) com alguém com sintomas respiratórios está em risco de ser exposta à infecção.

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:

*gotículas de saliva;

*espirro;

*tosse;

*catarro;

*contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;

*contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

O período médio de incubação é de 5 dias, com intervalos que chegam a 12 dias, período em que os primeiros sintomas levam para aparecer desde a infecção.

A transmissibilidade dos pacientes infectados é em média de 7 dias após o início dos sintomas. No entanto, dados preliminares sugerem que a transmissão possa ocorrer mesmo sem o aparecimento de sinais e sintomas.

Como é feito o exame em SC

Para avaliar se é um caso de coronavírus, o profissional de saúde deverá coletar duas amostras respiratórias. Elas são encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), em Florianópolis, para o chamado exame de exclusão.

Se for identificado um caso mais simples, como Influenza 1, o caso é descartado. Mas se apresentar resultados negativos para esses exames, as amostras seguem para os laboratórios de referência para realização de análise de metagenômica, que identificará ou não o novo coronavírus.

Os laboratórios de referência nacional são: Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz-RJ), Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, e Instituto Evandro Chagas (IEC), no Pará.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.

*Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.

*Evitar contato próximo com pessoas doentes.

*Ficar em casa quando estiver doente.

*Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo. Lembre-se da etiqueta básica da tosse.

*Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

*Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

campanha vacinacao jgs
campanha jgs

Faça parte do nosso grupo no Whatsapp