Banner-Otica-Behling-Corupaense-640x167
Carnes apreendidas pela polícia civil durante operação realizada pela polícia civil, que contou com apoio da DIC de Jaraguá do Sul

A Polícia Civil desencadeou a Operação “El Patron” na manhã desta sexta-feira (29) em combate ao roubo de cargas e para apurar crimes contra as relações de consumo, em Santa Catarina.  Foram cumpridos dez mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça, em Itajaí e em Balneário Piçarras, no litoral Norte. A ação é da Delegacia de Furtos e Roubos de Cargas da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC/PCSC) e contou com o apoio de policiais civis da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Itajaí, Balneário Camboriú, Jaraguá do Sul e Blumenau.

Segundo o Delegado de Polícia Osnei Valdir de Oliveira, houve apreensão de uma arma de fogo, aproximadamente R$ 12 mil e cerca de 800 kg de carne imprópria para o consumo humano. Além disso, foi realizada a interdição de uma churrascaria. A Vigilância Sanitária de Itajaí foi acionada para acompanhar a ação.

As investigações iniciaram em outubro de 2020 após a Polícia Civil ser comunicada acerca de furtos de carne com data de validade vencida, cuja suspeita é de que eram praticados pelos funcionários da empresa responsável pela coleta de despojos de carnes (restos de carne bovina, suína e de frangos), além de ossos e de carnes com data de validade vencida.

Os representes da empresa informaram que os produtos que eram impróprios para o consumo humano deveriam ser encaminhados para a matriz na cidade de Tubarão, para processar e transformar em matéria-prima para biodiesel e ração animal. Contudo, devido ao volume, dois funcionários são suspeitos de desviarem e revenderem para estabelecimentos comerciais.

Com o aprofundamento das investigações, descobriu-se que quatro funcionários da empresa são suspetos de praticarem os furtos, e o receptador era um comerciante de Itajaí, proprietário de uma churrascaria, que contava com o auxílio de quatro funcionários para realizar o transporte de maneira dissimulada das carnes, armazenando na churrascaria e servindo aos clientes.

Alguns produtos estavam tão deteriorados que o próprio receptador reclamava estar podre, pois além de estar com data de validade vencida, eram transportados sem qualquer critério sanitário, já que se destinavam a produção de matéria-prima para biodiesel e ração animal. Contudo, ainda assim serviam aos clientes, os quais ao avaliarem o estabelecimento comercial em uma rede social, demonstravam a insatisfação com os alimentos servidos, principalmente em relação ao mau cheiro da carne.

Tornozeleiras

Em razão da gravidade dos crimes, foi representado por diversas medidas cautelares, sendo expedidos mandados de busca e apreensão pela Justiça, assim como de suspensão da atividade econômica, além de monitoramento eletrônico dos indiciados mediante uso de tornozeleiras.

Os suspeitos estão sendo indiciados pela prática dos crimes de furto qualificado, receptação qualificada, crime contra a relação de consumo e associação criminosa, eis que os fatos vinham sendo praticados de forma reiterada.

Banner-Web-Portal-O-Corupaense-640x167