bianca-ad-hd
Banner-Web-Portal-O-Corupaense-640x167

Floriani Equipamentos para Escritorio=

Dizem que ver televisão pode fazer mal a saúde, mas um morador de Blumenau, provou que assistir séries hospitalares podem ajudar em um momento de desespero. No início deste mês, após uma briga entre a vítima, de 40 anos, e outro homem de 30 anos, ele teve a mão decepada com um facão.

De acordo com o hospital, o conhecimento da vítima do correto procedimento – a vítima colocou a mão em um saco com gelo – foi fundamental para o sucesso do reimplante. Ele afirmou aos médicos que é fã de séries médicas.

“Sempre gostei de ver séries sobre hospitais, e quando ocorreu, eu tive muita cautela, não entrei em desespero. Literalmente posso dizer que eu salvei meu próprio membro para fazer o reimplante, pois quando todos da minha família estavam desesperados, eu consegui ter discernimento para colocar em uma sacola e depois colocar no gelo”, disse o paciente à equipe médica.

O procedimento cirúrgico levou seis horas e de acordo com a equipe médica, foi um sucesso. Foram recuperadas duas artérias, cinco veias, 24 tendões, três nervos e ossos.

Esse foi o quinto de mão no nível do punho ocorrido no hospital de mão no nível do punho ocorrido no hospital. O último reimplante foi em 2019.

“Um reimplante deste tipo é considerado raro, pois são diversos fatores que levam a ter uma possibilidade de reimplante bem-sucedido.” afirmou Filipe Pimont Berndt, um dos médicos responsáveis pela equipe médica.

O homem teve alta do hospital no último dia 21 e nesta segunda-feira (26), voltou para fazer uma consulta. De acordo com o hospital, ele já mexe os dedos e é previsto que seja necessário dois anos de fisioterapia.

Foi a quinta vez que o hospital fez uma cirurgia como essa — Foto: Hospital Santo Antônio/Divulgação
Foi a quinta vez que o hospital fez uma cirurgia como essa — Foto: Hospital Santo Antônio/Divulgação

Orientação médica

Segundo o médico Berndt, é importante que quem presenciar um acidente envolvendo amputação de membro ajude a vítima a manter a calma. O paciente precisa ser atendido o mais rápido possível e o membro deve ser levado junto para avaliação de possibilidade ou não de reimplante.

“Pegue o membro amputado e enrole em um pano úmido, de preferência com soro fisiológico, e coloque dentro de um saco plástico. Após esse procedimento, colocar em um isopor ou caixa térmica com gelo. Importante ressaltar que não se deve deixar o membro em contato direto com o gelo, pois caso isso ocorra, poderá haver queimadura térmica, ocasionando a impossibilidade de reimplante”, explicou.

Banner-Web-Portal-O-Corupaense-640x167